Como é que a distância é calculada

A distância é a estatística de treino mais básica. Por isso, é importante ter a certeza dos seus dados de distância. Existem algumas formas de recolher dados de distância ao registar uma atividade baseada em dados de GPS

Como é que o Strava mede e apresenta a distância

Quando um ficheiro de GPS é carregado, o Strava utiliza os dados de distância registados no ficheiro e analisa-os num fluxo de dados para calcular a distância total, a velocidade média e a velocidade máxima. Consoante o método utilizado (ver explicação abaixo), esses dados serão apresentados no fluxo de distância e, consequentemente, no Strava. Em condições normais, as diferenças deverão ser mínimas em comparação com as métricas de distância ou de velocidade no Strava em relação ao dispositivo de GPS. Ainda assim, é provável que ocorram algumas incoerências menores, provavelmente devido ao número de processamentos em ambos os lados - o Strava processa e analisa os dados no ficheiro de forma independente e, em contrapartida, a maior parte dos dispositivos de GPS tabulam esses valores no próprio dispositivo.

No Strava, a distância contribui para os seus totais de distância geral, quer no Calendário de treino no gráfico de barras na Página de perfil ou as suas estatísticas gerais e anuais na barra lateral do Perfil. Além disso, as leituras de distância contribuem para a velocidade média, uma vez que a velocidade média é calculada a partir da distância ao longo do tempo de movimento total. No entanto, a distâncianão, contribui para os segmentos ou tempos dos segmentos. Os tempos de segmento são calculados quando passa os pontos de partida e chegada. Assim, a distância é uma métrica e estatística mais pessoal, exceto quando o Strava lançar um desafio baseado na distância, tais como os desafios de distância mensal e, nesse caso, a distância seria competitiva.

Métodos de cálculo da distância

Existem duas formas principais para calcular a distância da maior parte dos desportos - Velocidade no solo e Distância calculada por GPS. A velocidade no solo vai medir a velocidade ao longo da atividade (contabilizando a rotação da roda) e uma distância calculada por GPS irá "ligar os pontos" entre os pontos do seu GPS e triangular a distância entre as coordenadas. Cada método de recolha de dados poderá introduzir algumas imprecisões.

  • Abordagem com dispositivo GPS: as aplicações móveis do Strava e muitos dispositivos de GPS irão calcular a distância acumulada em "tempo real" enquanto o dispositivo está a registar, com base nos dados de GPS.
    • Prós: cálculo mais preciso para recolher os dados de distância incluídos no ficheiro no fluxo de distância, medido em metros.
    • Contras: a natureza complexa deste cálculo em "tempo real" pode levar a pontos de paragem, onde não foi calculada qualquer distância adicional desde o ponto anterior, o que pode fazer com que alguns cálculos do Strava, como a Melhor marca estimada para Corrida, falhem. Uma vez que esta distância é calculada por GPS, parte-se do princípio que se trata de um piso plano e a velocidade vertical não será considerada de acordo com a topografia . Além disso, pode ser perdida alguma distância acumulada, uma vez que as linhas retas se ligam a cada coordenada de GPS em vez de fazerem um arco. Este método de cálculo não capta variações de rota entre pontos de GPS e pode variar ainda mais quando as funcionalidades de poupança de bateria estão ativas.
  • Abordagem de pós-carregamento no Strava com base em GPS: depois de registar dados de GPS e de os carregar para o Strava, estes são divididos em fluxos de dados e analisados. Neste momento, pode ser efetuado um cálculo nas coordenadas de GPS, para se obter a distância. É desta forma que o Strava determina a dimensão de qualquer ficheiro carregado que não inclua um fluxo de distância. Pode utilizar este método se suspeitar que existe um problema com a distância registada com os seus dispositivos (saiba mais sobre como reverter a distância abaixo.)
    • Prós: o carregamento à posteriori de distâncias com base em GPS podem eliminar problemas como pontos parados (ver abaixo) e criar dados de distância mais claros e mais precisos do que o equivalente do dispositivo.
    • Contras: parte-se do princípio de que a superfície é plana e que velocidade vertical da topografia não é considerada. Da mesma forma, as linhas retas ligam os pontos de GPS.
  • A abordagem do sensor de velocidade/cadência do Garmin GSC-10 : a distância do piso é medida através da contagem de voltas da roda e, posteriormente, multiplicada pela circunferência da roda.
    • Prós: um sensor de roda irá captar a velocidade vertical e a percentagem adicional da distância acumulada com alterações da elevação. Esta contagem torna-se num fator ligeiramente mais significativa para bicicletas de montanha que ganham e perdem muito na rapidez em termos de ganho de elevação.
    • Contras: os problemas comuns por confiar num sensor de roda incluem: o tamanho da roda não estar devidamente documentado, o dispositivo ser movido para outra bicicleta com um tamanho de roda diferente e não ser ajustado, o tamanho da roda ser calculado de forma incorreta, devido a incoerências de GPS ou porque o ímane não contou cada volta da roda.

Reverter a sua distância

Se suspeitar que houve um problema com a distância registada pelo seu dispositivo, pode optar por substituir a distância indicada pelo dispositivo, através da abordagem de pós-carregamento do Strava. Clique no menu dos três pontos, no lado esquerdo da barra lateral e selecione a opção "Corrigir distância." Isto pode melhorar a qualidade dos dados carregados, eliminando dados da GPS incorretos, tais como pontos de GPS imprecisos e dados que estejam incoerentes com os do ficheiro. Se mudar de ideias, clique no botão novamente para reverter para a distância original.

Hierarquia das entradas do dispositivo Garmin quando existem várias fontes de dados de distância

O que acontece se tiver um PowerTap ou um sensor de velocidade/cadência ou ambos? Quando o Edge tem várias fontes para as mesmas informações, implementa um processo de seleção predeterminado para assumir a fonte que considera ser a mais precisa.

  • Se tiver um hub de PowerTap ligado ao seu Gamin, este irá processar as leituras de velocidade do hub do PowerTap acima de todas as outras entradas.
  • Se tiver um sensor de velocidade/cadência GSC-10, o Garmin assumirá estas leituras acima da distância calculada por GPS.
  • Se não tiver nenhum destes, o Garmin irá calcular a distância com base no GPS.

O principal a reter é que os dados de qualquer fonte são integrados facilmente no ficheiro registado no fluxo de distância. Em alguns casos, a velocidade num MPH é documentada no ficheiro também como uma extensão. Independentemente disso, cada ficheiro produzido pelo Garmin tem um fluxo de dados de distância medido em metros acumulados, que servem para medir a distância total e a velocidade (máxima e média).

Este artigo foi útil?
Utilizadores que acharam útil: 158 de 239

Comentários

0 comentário

Artigo fechado para comentários.